31.3.08

BRUNO MANTOVANI
O Bruno dispensa apresentações, mas a série de ilustras tipo fun de carros de Formula 1 e seus pilotos arregalados merecem uma nota. Dê um pulinho lá no blog do rapaz. Vale a pena.

28.3.08

PORSCHE 356 SPEEDSTER By Bellote

Quando vi essa foto do Porsche 356 Speedster, (clique no link para ver o ensaio fotográfico) me lembrei das obras dos primeiros pintores impressionistas, especialmente Pierre Auguste Renoir. Fotografar é escrever, grafar, registrar com luz. O ato de fotografar pode ser algo meramente mecânico nas mãos de uma pessoa comum; é apontar a lente para um objeto e click, tá feito o registro. Ainda mais nos dias de hoje, com as máquinas digitais fotografar se tornou um ato banal.

Renato Bellote está atingindo um patamar artístico com suas fotos. Sinto que para ele, a imagem flui pela lente de sua máquina da mesma forma que Renoir brincava com a luz em suas telas.

Renato respeita a forma do objeto/modelo e a valoriza sem ser extravagante. Seu trabalho tem a principal característica dos clássicos, a simplicidade que não exige explicações.

Não sou crítico de arte e nem sei escrever, mas ouso rabiscar essas mal traçadas linhas para destacar o belo trabalho que faz este jovem retratista chamado Renatoir Bellote.

Simca CG do La Fossel (Vestido pra guerra)


Sidney Cardoso envia uma dúvida automobilística existencial, vamos ajudá-lo. Diga o que você pensa sobre a dúvida do nosso amigo.

Maurício, estou te enviando por e-mail um Simca CG do La Fossel de frente e costas, esse está lindo. Se puder, por favor, coloca a imagem dele também ai pra que a turma possa vê-lo.

Interessante como este carro passa por tantas transformações.Sei lá, rapaz, tenho a mania de achar semelhanças em quase tudo. Gostaria que a turma que freqüenta aqui desse sua opinião. Ele lembra o Puma e a Berlineta ou sou eu que vejo semelhanças demais? Abraço a todos,

Sidney Cardoso.

Simca SPIDER 1000
CARROS, CARRINHOS E CARRÕES

Imperdível a visita ao blog do Gustavo Leme.
Ele fala de carros clássicos, Miniaturas, especialmente autoramas; tem cada foto de babar e muito mais. Vale a pena.

27.3.08

DICA DE SITE Uma das maiores referências sobre Simca no Brasil. Imperdível.
http://www.simca.com.br/. É clicar no link e curtir informações com fotos ao som de um velho blues.

26.3.08

SIMCA CG (Esse eu não conhecia)

Nosso dileto e querido amigo, Sidney Cardoso nos manda um comentário sobre Simcas. Na verdade sobre um Simca em especial, o SIMCA CG. Retirei um tracho da conversa dele com o Rui Siqueira, o mestre dos Simcas.
Olha, posso estar enganado, mas na minha modesta opinião, tanto o Simca Tempestade quanto o Simca-Achcar de nosso amigo Ricardo Achcar, foram inspirados no Simca CG, sendo que pra mim o mais bonito deles foi o Simca-Achcar que Maurício Morais tão bem retratou em sua ilustração com as fotos que encaminhei pra ele.O CG vem das iniciais de dois irmãos Chappe e Gessalin.
Estes dois irmãos primeiro trabalharam para o Renault Alpine, depois se juntaram à Simca e criaram o Simca CG, de início em 1966, com apenas 40 HP e 944cc.A partir daí foram aperfeiçoando-o aumentando a cilindrada, etc. chegando a 2160.
Vou enviar umas fotos dele para o Maurício Morais.
Ah, tenho um almoço com Ricardo Achcar na próxima quinta-feira, vou aproveitar e perguntá-lo se ele não se inspirou no Simca CG pra fazer aquela linda Berlineta com motor Simca.
Forte abraço, Sidney Cardoso

25.3.08

SIMCA TEMPESTADE PRONTO

Como dois dias passam rápido por aqui. Está pronto finalmente. Espero que apreciem e degustem sem moderação. E claro, encomendem às centenas.
Vem mais Simca por aí, aguardem.
SIMCA TEMPESTADE (Faltam os detalhes de sempre, luz, brilho, etc)

Quase pronto, quem quiser pode encomendar seu pôster, pois levo uns dois dias no máximo para terminar a ilustração do glorioso Simca Tempestade, Tgt, Perereca, sei lá.

24.3.08

DICA DO CARRETERA

É isso mesmo, meu conterrâneo de alcunha (essa tirei do baú) Carretera deu uma dica legal de um Fórum sobre Simcas, clique no link para acessar. Lá chegando, comecei a bisbilhotar e achei este filme que mostra corridas no Rio Grande do Sul. Cenas fantásticas de carreteras, Simcas, Gordinis, Opalões da Div. 3, o Mark I...tem até uma curta entrevista com o piloto Breno Fornari. Vale a visita.
SIMCA TEMPESTADE

Até que está dando pra tirar um caldo daquela foto...mas não está fácil.
SIMCA TEMPESTADE (Continuando)

Perereca na pista. Que maldade chamar uma belezura dessas de perereca, apelidassem de canguru, cabrito, sei lá, mas perereca. É o sarcasmo brasileiro que não perdoa mesmo.

Bem, será que dessa foto gasta pelo tempo sairá uma ilustração digna do desafio que foi construir esse carro?

CHEVETTE GP SUPER CLASSIC

O piloto Adriano Lubisco, que corre na Supe Classic de Chevette GP, encomendou uma ilutração de seu possante. Taí, o carrinho é lindo e a ilustra tratou de valorizar as linhas do carro.
Chevettes foram meu sonho de consumo na adolescência. Aproveite e diga para o mundo qual era seu sonho motorizado nos tempos da juventude.
DIRETO DA ITÁLIA

Caro amigo Mauricio, aqui a apresentaçao do "Jim Clark Revival". Clique no link e curta. http://www.youtube.com/watch?v=nRt1KxBFS_A
abs, Max.
SIMCA TEMPESTADE (Falta o carro de lado, aguardem)


Leiam este artigo do mestre Anísio Campos sobre a criação do Tempestade. O interessante é ler o texto com a cabeça de alguém que estava presente no momento da criação da macchina. É uma viagem na história. http://www.obvio.ind.br/Tempestade%20-%20Simca%20do%20Brasil.htm

22.3.08

SIMCA TEMPESTADE (Vulgo Perereca)

Olha que carinha de Gt europeu, pena que não entrou em produção.
Faltam os detalhes de luz e cor, depois virá o carro visto de lado.

21.3.08

SIMCA TEMPESTADE (o pôster)

Depois de estudar a fundo a história que envolve esta beleza de máquina, vamos ilustrá-la. Acompanhem por favor.
SIMCA TEMPESTADE

Recebi este e-mail com muitos detalhes sobre a história do Simca Tempestade que repasso a vocês. Muito obrigado ao Rui Siqueira pela inestimável colaborção.

Maurício, boa tarde.

O Simca Tempestade, também conhecido por Perereca, Vendaval e TGT foi um protótipo criado no depto. de competições da Simca. Na época o chefe da equipe de competições era o Ciro Cayres, que acumulava as funções de chefe e piloto da equipe.

Em 1961, quando assumiu a chefia desta equipe de fábrica, o Ciro era um dos melhores pilotos do Brasil e possuía uma Maserati 250F com motor Corvette. Ao assumir a chefia substituiu o motor Corvette por um Simca e para ele os resultados foram desastrosos, pois o Corvette tinha uns 300 HP e o Simca uns 140. Ciro perdeu todas as corridas da categoria Mecânica Continental que participou em 1962 e 1963. Os Simcas Chambord utilizados nas outras competições eram muito grandes e pesados e competiam em desvantagem, pois a Willys ganhava todas utilizando o Interlagos, um carro com um motor pequeno, mas muito bom em competições.

No final de 1963 Ciro e o Engº George Perrot, gerente de desenvolvimento da Simca, decidem fazer um protótipo para enfrentar os Willys Interlagos.O carro escolhido como base foi a Maserati 250F do Ciro, um formula 1, igual ao campeão do mundo em 1957, pilotado pelo Fângio. Não seria muito difícil criar uma carroceria para vestir o chassi Maserati devidamente alterado. Acreditavam que, desta forma, ganhariam muitas corridas, pois se na Mecânica Continental eles enfrentavam carros com 300 Hp ou mais, nas corridas em que participariam com o protótipo iriam enfrentar carros com potencias de no máximo 90 Hp. Os 140 do Simca era mais do que suficiente.

Este projeto foi apresentado à diretoria e o engº Jean Pasteur, presidente da Simca, exigiu que a mecânica completa de um Simca Chambord fosse utilizada no protótipo. Isto matou a idéia original.O Tempestade foi construído em 8 meses e da Maserati só utilizaram a suspensão dianteira e as rodas. No chassi tubular, feito especialmente para o Tempestade, os suportes da suspensão dianteira eram iguais aos da Maserati, para possibilitar sua montagem. Hoje, algumas pessoas afirmam, erroneamente, que o chassi era o da Maserati. No máximo, o chassi do Tempestade foi derivado do Maserati.

O desenvolvimento deste carro foi muito prejudicado pela chegada dos Abarths Simca e pela contratação do Chico Landi como chefe de equipe. Com a volta dos Abarths à França, o Chico encostou definitivamente o Tempestade e começou a desenvolvimento do Simca GT Spyder, um carro feito sobre a plataforma do Simca Chambord.

O GT Spyder nunca correu pela equipe de fábrica e a sua única participação de destaque foi no filme "As Cariocas", quando foi dirigido pela Norma Bengell...Ai a Chrysler chegou (era dona da Simca France desde 1963) e encerrou as atividades do depto. de competições.

O Simca Tempestade participou de 9 corridas, venceu 2 e, provavelmente, foi sucateado.Vou escrever um texto sobre o Tempestade, contado mais detalhes do o seu polêmico chassi e a sua participação, também com detalhes, nas 9 provas.

Notas:Visite http://www.forumnow.com.br/vip/foruns.asp?forum=41872, o fórum do site Simca do Brasil (www.simca.com.br) e no tópico "Tempestade" irás encontrar farta matéria sobre este carro e ...Para participar é necessário ser um usuário registrado, mas você pode ler tudo como visitante.

Abraços, Rui Siqueira.

Porsche 917 Prototype 16 Cylinder

Meu amigo Ararê Novaes, enviou links e dados sobre esse monstro de 16 cilindros criado pela Porsche. Vale a visita, especialmente pra quem gosta de Porsche.

Maurício,
Para saber mais sobre esse Porsche 917 P-A (Porsche-Audi) clique nos links abaixo, é em ingles, mas dá pra se informar:
http://www.conceptcarz.com/vehicle/z9982/Porsche_917_P-A.aspx
http://www.supercars.net/gallery/119513/1618/1.html
Espero que se divirta, é o paraíso dos Porsche de competição!
Um grande abraço!

Ararê.


Me diverti muito, pode ter certeza amigão. Obrigado.

19.3.08

É PRA BABAR MESMO...(Tragam a toalha!)

E. J. Garcez, frequentador histórico e assíduo deste espaço me manda esta imagem que traduz muito bem a minha idéia de paraíso.
Diz o amigo: "Olá Mauricio, tudo bem ? Achei na Internet essa foto de babar e lembrei de vc que é fã de Porsche."
Sou mesmo...aliás, nada contra as Ferrari, mas...
Alguém pode esclarescer pra galera que bagaça é essa toda branca e com estas cornetas pra fora?

17.3.08

JÁ POSSO ME APOSENTAR...


Descobri mais um talento pra desenhar carros. E está bem pertinho de mim. Chama-se Vitor, tem 6 anos e com muito orgulho digo que é o meu filho mais novo. Fiquei impressionado com os detalhes da obra de arte, tanto que quis mostrar para o mundo. Baba pai coruja.

Se vocês repararem bem, tem uma águia em pleno vôo estampada na porta do carro, "tá cheia de penas, tá vendo pai!?" Disse o Vitor, mostrando que é um artista bem detalhista.

Aí, o idiota aqui disse que iria passar um corretivo pra tirar uma mancha azul que estava bem no meio da folha...pra que?! "Não pai, não está vendo que é uma mariposa voando?" Claro, como sou tapado!

DIRETO DA ITÁLIA.

Caro Mauricio, aqui vamos nòs, fotos dos primeiros treinos em Hockenheim.
Max vai de Porsche 911 ST, o amarelinho que aparece nas fotos.
Boa sorte nonno.

16.3.08

TESTE SEUS CONHECIMENTOS

Todos sabem que os matuzas frequentadores deste blog são profundos conhecedores da história de nossas pistas, isso ninguém discute. Mas vamos ver se alguém, matuza ou não, descobre que carro vai ser ilustrado. Dica? este detalhe da frente, mais o fato de não ter tido um futuro muito próspero. Vamos lá, joguem suas fichas.

12.3.08

PÔSTER COPA BRASIL - PORSCHE

Espero que gostem do resultado final. Desejo para aqueles que viveram essa época um retorno aos bons tempos, enquanto olham essa ilustração...e aos que não sabem nada daquela época, viagem na imagem, tentando decifrar o que foi ver, escutar e sentir essas máquinas perfeitas correndo pela pista antiga de Interlagos.

Porsche 917/10 Willi Kauhsen - Copa Brasil

O Panzer está pronto para a guerra. Agora é só juntar os dois germânicos no mesmo cenário.

Porsche 917/10 Willi Kauhsen - Copa Brasil

Agora só faltam os adesivos dos patrocinadores.

Porsche 917/10 Willi Kauhsen - Copa Brasil

Tá quase, tá quase no fim...
Porsche 917/10 Willi Kauhsen - Copa Brasil

É um carro lindo de se ver e de desenhar. De onde surgiu uma forma tão animal e bruta, que de cara anuncia toda erocidade da mecânica? Alguém sabe quem desenhou esse carro? Terá sido o Butzi?

Porsche 917/10 Willi Kauhsen - Copa Brasil

Para fazer a ilustra daquele 917/10 do post abaixo, vou utilizar este exemplar da equipe Brumos Racing, tradicional equipe de endurance norte americana que corre com os carros da Porsche a décadas.
Clique aqui para conhecer o site oficial da equipe e neste outro site veja fotos do início da parceria Porsche / Brumos Racing. É tudo em inglês.

MAIS COPA BRASIL - Porsche 917/10 Willi Kauhsen


Vou ilustrar o 917/10 do Willi, que fará par com o 917 da equipe Motorádio, no próximo pôster que farei. Sintam a saúde da bagaça neste vídeo do you tube.

11.3.08

EQUIPE GRECO NA GT3

Acabo de receber e-mail da Adriana Greco informando que a histórica equipe de seu pai, Luiz Antonio Greco, a Greco Competições, agora sob comando de seu irmão o Fábio Greco correrá na categoria GT 3 com duas Ferrari. Leia mais detalhes no site da GT 3. Clique aqui.
Vai ser legal ver os amarelinhos novamente na pista.
CONTROLE DE TRAÇÃO?

Esses caras não precisavam disso. A foto é só pra lembrar que a categoria que já foi a mais amada por todos vai começar em breve. Será que veremos carros dançando como esse Tyrrel nas mãos do fantástico Ronnie Peterson? Que vocês acham?

DIRETO DA ITÁLIA (Estamos torcendo por você nonno)


Nonno Max manda avisar que a próxima prova que estará será o Jim Clark Revival em Hockenheim nos dias 24/27 de abril. Nos links detalhes de como os clássicos são tratados lá na Europa. http://www.jimclark-revival.com/ http://www.circuitodaboavista.com/

10.3.08

TRÂNSITO CAÓTICO?

O amigo Ricardo Achcar manda este vídeo, e eu pergunto:
O trânsito de sua cidade se parece com isso? Clique aqui para ver.

7.3.08

PORSCHE 917 - EQUIPE BINO MOTORADIO

Aproveitando o post bem abaixo sobre a Copa Brasil, resolvi fazer o 917 do Wilsinho Fittipaldi, a partir de um 917 #3 da equipe Martini Rossi , campeã das 24 horas de Daytona.
O próximo será o 917/10. Aguardem, os dois vão formar um belo pôster.
SERÁ QUE CONSEGUE?


Um protótipo, se não me engano uma BMW, subindo a montanha. Será que chega inteira lá no alto? Cortesia do nonno Max Pedrazzi. Clique aqui.
DIRETO DA ITÁLIA

Vocês sabem que não podemos contrariar os nonnos, certo?
Pois nonno Max pediu, e aqui ele não pede manda, que eu mostrasse os vídeos enviados por ele.
Conhecem Ari Vatanen? Não? então curtam e segurem-se na cadeira. É só clicar aqui.

6.3.08

ASSISTAM A ESTE VÍDEO DO FÓRMULA SUPER VÊ.

Está no YouTube. Faz parte da coleção de filmes do Adriano Favetta e a narração é do Fernando Calmon. Curtam a largada.
MUSTANG SHELBY GT 500


Olha o bicho aí. Bela máquina.
MUSTANG SHELBY GT 500 - Raio-X



É verdade que todos gostam do Mustang, mais ainda se for um Shelby GT 350 ou 500.
Navegando pela rede achei este Raio-X do GT 5oo. Muito legal. Enjoy.

5.3.08

TESTE SEUS CONHECIMENTOS

Dando uma volta pelo site memorável do fotógrafo Rogério P. da Luz, que foi rececntemente atualizado, encontrei esta foto com dois carros da Porsche que mais barbarizaram nas pistas dos anos 70. Os irmãos 917 e 917/30 (se não estou enganado).
Então pergunto eu, o que estava rolando em Interlagos? Quem eram os pilotos? e como foi o desenvolvimento desses carros nos campeonatos que disputaram (Isso se disputaram, claro!)
PAPO DE GARAGEM (Sessão nova)
Março, mês de aniversário do blog e de algumas novidades também.
Hoje vamos estrear uma coluna muito interessante assinada pelo blogueiro, Paulo Sérgio Coimbra, que sempre enriquece este espaço com dicas e idéias interessantes.
Então vamos lá, espero que vocês participem também. Ah, prestem atenção nas fotos.
CHASSIS

Uma das funções do chassi de um carro de competição é ligar os componentes do carro e servir como habitáculo para o piloto. Ele deve ser leve, mas forte e rígido. Os primeiros chassis tanto os utilizados nos carros de turismo quanto os dos carros de competição, consistiam em duas longarinas ligadas por travessas. Temos como bom exemplo os carros da Auto Union com duas travessas longitudinais, ao contrario do que era comum, com perfil redondo, unidas por elementos transversais. Muitas vezes, os tubos de grande diâmetro, serviam de reservatório de óleo.
Mercedes Benz T80 – Longarinas longitudinais com estruturas transversais

Depois dos chassis de longarinas, vieram os multitubulares, muito leves, em que os tubos transversais tomavam a forma da carroçaria, servindo de suporte para elementos de chapa ultraleve.

Maserati 250 Estrutura tubular co armações transversais que davam forma à carroceria.

A técnica evoluiu e vieram as estruturas multitubulares espaciais, herdadas da aviação, um aperfeiçoamento do tipo anterior, no qual os elementos trabalham em tensão e compressão, nunca em torção. A diminuição de peso obtida foi notável. Finalmente surgiu o chassi monocoque. Resumidamente, podemos analisar tais tipos assim:

Estrutura Tubular:

O formato geral da carroceria é determinado por uma armação, representada por um conjunto de tubos de aço, de dimensões variáveis e distribuídos de maneiras diversas. O formato que se tornou mais comum na construção de chassis para carros de competição foi aquela derivada da estrutura “Warren” aeronáutica; este tipo de estrutura caracteriza-se por apresentar quatro longarinas tubulares, formadas por tubos de seção quadrada ou redonda em aço especial. Outros tubos adjacentes são soldados a essas longarinas constituindo os elementos de reforço da estrutura. Com a evolução das técnicas de construção, muitos tubos dos reforços secundários eram calculados para que seu diâmetro menor, não alterasse todo o esquema de resistência geral do chassis. Muitas vezes, por força das “exigências com pesquisas aerodinâmicas” a disposição destes elementos todos, sejam os tubos principais, sejam os reforços, determinavam o formato da carroceria co carro. Uma importante característica deste tipo de estrutura, era a de se poder aproveitar espaços internos à ela para a colocação de elementos mecânicos como bateria, pedaleira, “burrinhos de freio”, entre outros.
O mais clássico e famoso chassis tubular: Maserati Bird Cage(literalmente, gaiola)

Até hoje a opção pela estrutura tubular é estudada ao seu limite, pois permite uma relação interessante entre rigidez/torção aplicavel à competições específicas. A Mitsubishi, que competia no Dakar com seu “Pajero” elaborado a partir de uma célula rígida como uma estrutura monocoque onde eram fixadas treliças tubulares dianteira e traseira para a fixação de motor e componentes, optou há dois anos atrás pela montagem do protótipo daquela competição em cima de uma estrutura literalmente tubular, visto que os valores de torção seriam melhor aproveitados por esta, na competição que atravessa diversos terrenos irregulares e acidentados. Continua a grande campeã...

Mitsubishi Pajero Evolution IV 2007 – Moderno chassi tubular.

Este tipo de chassi é usado tanto para carros monopostos, quanto para protótipos ou ainda aqueles de turismo especiais ou carros experimentais de competição. Na realidade, esse tipo de construção é uma evolução do semi-monocoque, originário também da indústria aeronáutica. No início, usava-se o alumínio como material principal na construção desses chassis; peças de alumínio “ensanduichadas” com um material leve de composição alveolar(tipo colmeia de abelhas), também conhecido como Honey comb, eram dobradas, rebitadas e muitas vezes coladas com adesivos poderosos e especiais, resultado de pesquisa da indústria aero espacial que mais tarde seria responsável pela segunda evolução nesse tipo de estrutura; foi a partir da década de ’80, com o relativo barateamento nos custos de produção da Fibra de Carbono e matériais compósitos trabalhados em forma de tecidos ou mantas que os “tubos” como são chamados, passaram a ser feitos. Neste processo que envolve a adição de resínas e a montagem das mantas em uma composição plastica parecida com a de uma colcha de retalhos, que levada à um forno autoclave(temperatura e pressão), é que o resultado, toma a forma desejada e resultante de estudos em túneis de vento e pesquisas em computadores para que seja encontrado o design mais optimizado e fluído ao vento. A pesquisa em relação a formas, tem propiciado verdadeiras obras de arte rolantes, visto que a pesquisa aerodinâmica também evoluiu bastante para as chamedas “formas orgânicas” cheias de curvas, reentrâncias e linhas acentuadamente fluídas. Monocoque com variação utilizando duas seções laterais. Lotus 25

O monocoque deste Fittipaldi F9 utilizava uma técnica recente na década de 80 que era a montagem utilizando poucos rebites e alguns painéis colados.

Estrutura semi-monocoque:

A estrutura semi-monocoque é muito semelhante à monocoque, mas difere por ser,, na realidade uma estrutura tubular, que tem suas seções principais revestidas com lâminas de alumínio rebitadas aos elementos tubulares principais, pouco mais finas que o honey comb; formando assim um aparentemente chassi monocoque. Esste tipo de construção, além de alternativo e mais barato que a estrutura monocoque, pertmite um controle das forças torcionais advindas da construção tubular. Muitas vezes, à este chassi principal assim construído eram agregados elementos como sub-chassis ou ainda peças inteiras em liga metálica ou em duralumínio que trabalham como elementos estruturais e de reforço, onde sao fixados braços de suspensões,..., assim como também é feito nos monocoque puros.

Pode-se afirmar que se trata de um moderno “semi-monocoque"

Chassis misto Fibra de carbono e honey comb Nissan P35 1993

Paulo Coimbra