26.2.07


Terminei nosso intrépido Malzoni e seu não menos audaz piloto Wilson Marques Ferreira
navegando em uma pista molhada. Bem, a chuva foi invensão minha. Na foto de referência a
pista está seca.
Abro espaço para o próprio Wilson contar algumas coisas dessa parceria entre homem e máquina.
Em tempo. Pode pedir seus pôsters.
Errata: Mudei o número do carro para 99 que era o numeral do Wilson. O 10 era usado pelo Marinho.

14.2.07

QUEM PEGOU O RETROVISOR DO PILOTO???
Pelo que inclina essa bagaça, ela devia acelerar demais, correto?
Quem pilotou ou viu que conte para deleite dos blogueiros, por favor.
(Ainda não terminei)
Um pouquinho mais do Malzoni do Wilson. Pintou uma dúvida!
Na foto que estou usando de referência me parece que a saída
do escapamento é lateral. Era mesmo ou não?
Quem souber a resposta que me ajude, please.

13.2.07

Estou vetorizando algumas jóias do Museu do Automóvel brasileiro,
do Paulo Trevisan.
Entre uma respirada e outra, pra "descansar" vetorizo outras jóias
que me chegam às mãos através de amigos que acompanham este blog.
Este por exemplo é um Malzoni da equipe Mar & Terra, que era
pilotado pelo Wilson Marques Ferreira, que está preparando uma picanha
bem passada pra quando for ao Rio de Janeiro. Humm.
Acompanhem o desenvolvimento do trabalho e dêem seus pitacos sobre esse
carro e suas façanhas. Por favor.

Duas imagens enviadas pelo grande piloto Maurício Chulam.
A primeira é um anúncio que fazia parte da campanha publicitária da Souza Cruz.
A segunda é uma perseguição maravilhosa. No carro da frente o meu xará,
no de trás deixo pra vocês falarem quem é.
Notem a pequena escorregada do Polar do Chulam, uma delícia.
Comentem à vontade, especialmente quem teve o privilégio de
assistir ao vivo e em cores esses pegas.
Pessoal desculpem a minha ausência esta semana,
é que mudei meu escritório de endereço e fiquei
alguns dias sem internet. Mas agora já está tudo
em seu lugar...ou quase.
O blogueiro Antonio Carlos Contreras Muniz
me enviou esta foto tirada por ele quando tinha 17 anos.
O que achei mais interessante é a quantidade de fusquinhas
perseguindo o Maveco.
Parece o "ataque das piranhas assassinas..." Nossa foi mal.

9.2.07

Na série fuscas maravilhosos, que estou inventando agora, outra jóia clássica da
antiga Divisão 3. Este é o carro preferido no nobre Caíque Pereira,
que aliás me enviou esta foto. Quem são os senhores que aparecem na foto?
Estejam à vontade para declinar sobre mais este fuca invocado.

7.2.07

Estes dias estão muito corridos para mim, está parecendo esse "penico atômico" do Arturo Fernandes, que foi campeão da Divisão 3, não me lembro o ano.
Gostaria que vocês falassem algo sobre esse carro lindo e seu piloto.
O espaço está aberto.
E se alguém tiver mais fotos desse carro me enviem que coloco aqui.

1.2.07

Acabei de "pinçar" esta foto no blog do Ibsen http://public.fotki.com/ibsenop/,
excelente ilustrador automobilístico .
Não fui ao Clássicos de Competição, mas tenho viajado nas fotos que encontro na internet.
Ao me deparar com esta imagem tremi de saudade ao relembrar o marco que este carro e sua equipe representou para nossa auto-estima automobilística. Me lembro de comprar as Auto Esporte, 4 Rodas e Grand Prix da época, pra acompanhar tudo o que acontecia com a equipe do meu coração lá na F1 de outrora.
Do orgulho inicial, passei à amargura total ao ler os depoimentos que Emerson narrava em sua coluna na 4 Rodas. Que sofrimento esse pessoal passou. Outra coisa que me deixava extremamente triste eram as brincadeiras idiotas que toda a mídia fazia com o time brasileiro. Quanta falta de respeito. E todos sabemos o quanto é importante ser respeitado em nossa própria casa. O Brasil deve isso à família Fittipaldi.
Por isso fiquei emocionado ao ver o Wilsinho dentro de sua criação, recebendo a admiração de todos que como eu um dia torceram por ele e sua equipe, nossa equipe.

Através do Clássicos de Competição podemos ter uma noção do que foi a trajetória dos irmãos Fittipaldi dentro do cenário automobilístico brasileiro. Basta para isso relacionar as criações dessa trupe que nasceu com gasolina nas veias e graxa nas juntas. Fitti-vê, Fitti-Fusca, Fitti-Fusca com oito cilindros, Fitti-Porsche, Copersucar Fittipaldi.
Todos com uma característica muito clara: Estavam sempre um passo à frente em tecnologia e design. E nesse processo não podemos nos esquecer do terceiro Fittipaldi, o "Inglês", Ricardo Divilla. O cérebro que transformava idéias geniais em projetos possíveis e vencedores.
Analisando esta trajetória dá pra entender como Emerson, no auge de sua carreira abandona o melhor time de F1 da época, com seus dois títulos mundiais, para se juntar aos outros irmãos.
Era um passo natural, não uma aventura como muitos disseram, porém arriscado. E eles pagaram o preço.
Agora que o tempo passou e a poeira baixou, podemos ver claramente que essa família nos deixa uma tremenda lição de vida que se resume numa frase que lí em algum lugar: Os covardes nunca começam, os fracassados nunca terminam, mas os vencedores nunca desistem! São os Fittipaldi.