20.10.10

ROYALE GM - EQUIPE IMP.OK - BRASÍLIA

Esta é a configuração dos pilotos de Brasília, Luis Estevão e Luiz Barata.
O escapamento saindo por cima é o grande barato desse carro, que
segundo Jovino Jones chegou a bater o Porsche 910 da equipe Hollywood,
lá em BSB.
Depois o Jovino vai contar os detalhes desta batalha em seu ótimo blog Mocambo,
tem o link aqui do lado.
Essa baratinha usava motor de Formula Ford?

9 comentários:

Joel Marcos Cesetti disse...

Obra de arte!

Parabéns pelo excelente trabalho Mauricío.

Não conhecia outras versões do belo sport proptótipo.Apenas aquela que publiquei no blog.

Jovino disse...

O Royale que está em Brasilia com a familia Faleiros é todo amarelo, mas está com o motor AP 2000 e com câmbio Hewland. No blog do saloma tem uma matéria que fiz a alguns anos com este carro é só buscar lá em "Royale, sua história".
Mas a cor do royale que o Luiz Barata correu em Brasilia no pelezão é um vermelho forte.
Jovino

Mauricio Morais disse...

Pois é Joel, mexeram bastante nestes "carrinhos".
Jovino, os próximos a entrarem na linha de produção são o GM do Marcos Troncon e o VW que você descobriu em BSB.

Jovino disse...

Mauricio,
Agora fiquei curioso. Mas que VW é este que descobri aqui?
Jovino

Mauricio Morais disse...

O Royale que está em BSB com a familia Faleiros.

Ararê Ilustração disse...

Maurício, o motor desse Royale da dupla Luiz Barata/Luiz Estevão era Chevrolet, do Opala 4 cilindros, e participou do Campeonato Brasiliense de 1972.
Fonte blog do Saloma, do enciclopédico automotivo Mestre Joca, esse cara sabe tudo!
Tô esperando a finalização da arte.

Mauricio Morais disse...

Valeu Ararê.

Mestre Joca disse...

Olá, pessoal...

A história dos Royale-Ford que vieram para o Brasil foi o post de abertura do Blog do Mestre Joca, quase dois anos atrás.

E um dos maiores mistérios - que parece está em vidas de ser deslindado, graças ao trabalho do Jovino - é a origem deste Royale-GM de Brasilia.

Aguardemos, pois...

Mauricio Morais disse...

Valeu mestre Joca. Sua participação é sempre enriquecedora.