22.5.09

MINI DO AMAURY - Atualizado


Atualizando: Nosso amigo Rubens Leal do ótimo blog "Automobilismo Clássico" me enviou esta foto acima, mostrando o Mini Cooper sendo entortado pelo Amaury numa curva.

Atualizando II: O nobre Cézar Costa identificou que os paralamas eram de acrílico e não originais. Daí voltei à prancheta neste domingo e troquei a peça para ficar umja ilustra o mais próximo da originalidade.


Atualizando III: Atenção especial deve ser dada ao texto do Sidney Cardoso, que nos conta duas passagens sobre o Amaury nas pistas.

Sou grato pela participação de todos, os posts ficam muto mais saborosos assim.
Maurício Morais.


Gostaria de ter uma máquina do tempo e viajar para os autódromos onde correram os grandes carros que fizeram a história do automobilismo tupiniquim.
Mais precisamente, gostaria de estar nas pistas onde este carrinho disputava com grandes máquinas cada palmo de asfalto.
Devia ser uma loucura vê-lo disputando curvas e retas com grandes motores v8.

Por sorte temos o Amaury Mesquita que pilotou esta "pulguinha" inglesa e pode nos contar o que viveu. Seu Sidney Cardoso é outro que por lá esteve e foi testemunha ocular.

Então senhores vamos às penas e papéis e mata borrões para narrar a nós, neófitos, o que era ter na pista esse legítimo representante da coroa britânica.

25 comentários:

Cesar Costa disse...

Maurício:
Além de andar muito, o grande charme do carro do Amaury (que eu vi "empurrando" a Lola T70 dos De Paoli), eram as abas dos para-lamas. Como o regulamento exigia que as rodas ficassem dentro dos para-lamas, ele, ao invés de colocar estas abas pretas do desenho, colocou abas de acrílico transparente. De longe parecia que as rodas saíam da carroceria...

Gustavo disse...

Mauricio, este eu também queria ter visto em ação!
Ficou uma jóia!
Parabéns
Abraço

Teca disse...

Essa das "abas de acrílico transparente" devem ter dado um aspecto surrealista, heim?

Maurício, esse mini ficou uma graça na sua "pena".

Beijos.

Felipe Nicoliello disse...

Maurício,
Ver esse Mini correndo eu não vi, mas um amigo de nossa turma, nos anos 70, tinha um e saíamos para passear os quatro dentro do carrinho, o mais baixinho era eu 1,73. E o bichinho dava conta, cabiam todos confortávelmente e mesmo assim, com o peso todo dos grandalhões, ainda andava muito. Não dava prá acreditar na tocada e nas curvas com quatro dentro.

Tohmé disse...

Putz, ficou maravilhosa a obra.

Mauricio Morais disse...

Valeu pessoal, sabia que tinha algo errado com os paralamas, as fotos de que dispunha para referências eram as que estão na internet, de baixíssima qualidade, mas eu notei algo extranho. Então vou levar o bicho de volta à prancheta para modificá-los.
Valeu a todos, vamos aguardar mais histórias então.

Kakazu Motorsports disse...

Ola Maurcio...... muito bonito a Mini....bem realista.....
Cara, tenho um teoria de quando desenhamos carros vermelho, prata e preto, os reflexos ficam muito realista, tem algum tipo de magia essas cores....
qualquer carros nessas cores sempre ficam bons......
parabens...

Kakazu

Sidney Cardoso disse...

Maurício

Dessa vez darei três notas 10!

Uma pra você que ilustrou muito bem.

Outra para o Mini-Cooper que conheci de perto nas pistas, não só por andar muito como, possuía, também, uma estabilidade incrível.

E um 10 com louvor para o Amauri Mesquita, por quem sempre tive grande admiração como piloto.

Muitas vezes vi ele andando com esse incrível carrinho com duas rodas no ar, desafiando sua estabilidade. Carro e piloto formavam um só conjunto de boa valentia.

Amauri, na minha modesta opinião, foi um dos pilotos mais velozes que conheci.

Pra mim a única coisa que faltou ao Amauri foi somente e tão-somente uma pequena palavra que faz muita diferença na vida, chamada sorte.

Tenho certeza de que se ele tivesse corrido por alguma equipe de fábrica, elas eram bem organizadas, teria acumulado muito mais vitórias nas pistas.

Em seu post você me cita como testemunha ocular, pois é citarei apenas dois exemplos que testemunhei pra não ficar muito longo.

Quando surgiu a oportunidade dele mostrar o quanto era bom, por exemplo, no Torneio Nacional Ford Corcel, onde todos os pilotos correram com carros iguais, o que aconteceu?

Em Interlagos teve o azar de no sorteio das bolinhas ficar com o carro que estava estacionado em último lugar, o número 30, sou testemunha ocular, larguei ao seu lado no 29.

Quando ele ia passando vários outros, já no retão, tomou uma tremenda trolha e ficou num estado que suas palavras definem bem: - Vi o mundo ao contrário! De repente estava virado na reta vendo os outros carros vindo em minha direção!

Eu vinha perto dele, assisti tudo, e quase o acertei de frente.

Na semana seguinte, quando o Torneio veio para o Rio, ele estava brigando na ponta, num pega sensacional com Ricardo Achcar - outro velocíssimo - e de repente quebrou sua roda dianteira na curva Norte, acabando ali sua corrida.

Amauri sempre foi muito veloz, amigo, possuidor de excelente caráter, de uma condução corretíssima na pista, tocava muito e com uma lisura igual.

Bem, vou parar por aqui, pra não ficar longo demais, do contrário escreveria sem parar desse que, volto a repetir, na minha modesta opinião, foi um dos pilotos mais velozes que conheci.

Antes, porém, faço questão de enfatizar que minha admiração por ele como piloto veloz não é influenciada em nada por nossa amizade.

Ao mesmo tempo aproveito para externar que agradeço a Deus por poder desfrutar dela desde aquela época (seu túnel do tempo), até os dias de hoje.

Ararê Ilustração disse...

Grande Sidney Cardoso...que "viagem"...

Ninguém melhor que você, que viveu nesse mundo maravilhoso que "foi" nosso rico e querido automobilismo, pra nos contar essas histórias deliciosas.
Uma viagem no tempo.
Sei que o problema é tempo, mas você deveria escrever um livro cara, material não iria faltar, tenho certeza, e leitores também.
O título do livro já está aí em cima "Túnel do tempo".
E as ilustrações do livro você poderia deixar por nossa conta, não é mesmo mestre Maurício? Hehe...
Ah, linda ilustra Mestre, como sempre.

Um abraço!

Mauricio Morais disse...

Kakazu, você tem razão, essas cores são difíceis de trabalhar, mas os resultados são maravilhosos.

Sidney, obrigado por sua participação aqui no blog. Sempre co testemunhos tremendos.

O Ararê tem razão, nós precisamos ler tudo o que você tem guardado na cabeça e no coração.
COnte com nosso apoio, certo Ararê?

RIcardo Achcar disse...

Amigos,
um momento glorioso bem registrado. Amaury Mesquita um piloto arrojado que dificilmente ficava no nosso retrovisor...Guardo grandes lembranças dos feitos desta dupla Mesquita + Mini Cooper. Mais uma vez parando o relógio do tempo com tintas e pinceis nosso amigo Mauricio Morais nos brinda com cores mais vivas para nossas memórias que precisam ser espanadas da poeira do tempo...

Mauricio Morais disse...

Ricardo muito nos honra com sua prasença por aqui. Aproveito para parabenizá-lo pelos 40 anos da viagem à Inglaterra, junto com Luís Pereira Bueno.
Forte abraço.

Teca disse...

Atualizando o comentário...

Maurício, ficou ainda melhor o desenho e o incremento da postagem... aquela foto tá supimpa e o texto imperdível!

Beijos da flor, digo da fã, digo da teca...ahahahahahahaha

Sidney Cardoso disse...

Ararê e Maurício

Obrigado pelas amáveis palavras, não escrevo um livro porque teria pouco pra contar, visto que corri apenas de 1967 a 1971, período bem curto.

Amigos

Liguei para o Amauri hoje de manhã falando sobre a bela ilustração feita por Maurício.

Ele não usa a internet, mas me disse que virá aqui na companhia de um vizinho que usa pra ver a obra.

Ele está montando um espaço na Tijuca, RJ, pra colocar seus carros antigos, fazer um ponto de encontro dos automobilistas, colocar fotos e revistas de corridas, etc.

E, acho até que posso apostar, quando ele se deparar com essa bela obra de seu Mini irá desejar colocá-la lá.

Hoje tive o prazer e a honra de passar uma tarde maravilhosa na companhia de Ricardo Achcar que me convidou pra comemorar e bebemorar com ele essa data dos 40 anos que ele e Luizinho abriram a trilha da Europa para os outros brasileiros.

Putz! Olha a coincidência! Estava escrevendo agora essas linhas quando o telefone tocou, atendi e era o Amauri Mesquita.

Passou-me o telefone do José Paiva que irá fazer um evento automobilístico em São Gonçalo, Niterói, em setembro, e estava convidando ele e a mim pra participarmos.

Amauri convidou-me também, e aproveito para estender o convite a todos que queiram e possam ir para no próximo domingo, 31 de maio, ir no Clube da Aeronáutica, na Barra da Tijuca, RJ, primeira rua à direita após o Bosque da Barra, onde mais uma vez, ele irá promover o encontro de carros antigos.A entrada é franca, o horário é de 08:00 às 14:00h.

Disse-me que assim que acabar de dar os telefonemas virá aqui com seu vizinho ver a obra do Maurício.

Sidney Cardoso disse...

Amigos
Devido alguns compromissos passei o dia todo fora, chegando agora.

Nem fui abrir os e-mails, vim direto aqui, porquanto estava querendo ver os comentários do Amauri, de quem sou fã declarado.

Não vi, estranhei, pois sei que Amauri sempre cumpre sua palavra.

Liguei pra ele agora, pediu-me desculpa e disse-me que como andou muito ocupado com as obras e outros compromissos, deu uma "apagada", mas garantiu que já está se recuperando e amanhã virá com certeza.

Deco.Stein disse...

Tiver a sorte de manter/preparar meu carro numa oficina que o Amauri (assim como "Seu" Milton) frequenta. A Blower, do Tuninho "Careca", no RJ. Por alguns anos frequentei aquela oficina e ouvi muitas histórias de corridas, pegas no Alto, rivalidades, etc. Ele certamente não me conhece, mas eu sei bastante sobre ele hehehe.

Joel Marcos Cesetti disse...

Ótimo trabalho Mauricío, ficou muito realista.O pouco que sei do Amaury é que foi um grande piloto como também nosso amigo Sidney Cardoso, o Arrarê tem razão o Sidney tem ótimas histórias e experiências para contar.

ABS

Sidney Cardoso disse...

Maurício
Mais uma atualizaçãozinha pra você: estive com o Amauri ontem, ele disse que o teto do Mini-Cooper era preto.

Realmente pelas fotos em P&B que te enviei não dava pra ver.

Ele não mexe com internet, uma pessoa que foi ao encontro de carros antigos copiou e levou pra ele. Ele gostou muito, só pediu pra fazer essa pequena reparação em relação a cor, pediu pra te agradecer e que vai adquirir a ilustração pra colocar no espaço que te falei.
Abraços a todos.

Mário Pereira disse...

Oi Mauricio, o mini tá 5 estrelas. Ainda hoje devo colocar um trabalho que fiz para oferta com um mini 1000, mas que ainda não tinha colocado para não estragar a surpresa. Depois dê uma olhadela.

Abraço, Mário

Renato Bellote disse...

Maravilha Maurício.

abs

rubens leal disse...

Deco.Stein
A oficina do Toninho Careca agora está no Andaraí...onde sempre encontramos o Amaury Mesquita e Cia.

http://antigomobilismoclassico.blogspot.com/ disse...

O grande piloto carioca Amaury Mesquita, sem ajuda da fábrica Vemag, é um dos poucos corredores que recebeu da AUDI um Troféu por seu excelente desempenho ao volante do DKW.!

Mauricio Morais disse...

Ótimas informações enviadas pelos blogueiros. Não sabia desses fatos.

Tony Costa disse...

Está muito bonito o mini, muito realista.

Andamos na febre dos minis, agora que ele faz 50 anos.

Abraço, está excelente, como sempre aliás, o desenho.

Mauricio Morais disse...

Muito obrigado Tony. Abs.