CAÇADOR DE ESTRELAS - Bica Votnamis

Pronto, mais um pôster para nossa galeria, mais uma homenagem para alguém que acreditou que podia criar, desbravar, quebrar o marasmo das coisas comuns e sem criatividade, o Bica Votnamis.
Pena que ninguém se manifeste aqui neste humilde espaço. Poderíamos discutir muito sobre a inércia e o comodismo de nossa sociedade diante da vida.
O brasileiro precisa aprender a sonhar construir esses sonhos, sem ufanismos ou exageros. Não é só o automobilismo que está morrendo, mas a capacidade de fazer as coisas, de se emocionar, de reverenciar, sei lá.
Tudo começa com um pequeno passo.

Comentários

Anônimo disse…
Bela ilustraçao Mauricio, parabéns.
Quanto à inércia e comodismo, prà nao falar do resto, trata de se acostumar pois vivendo no pà-tropi é assim mesmo.
Os valores de casa nao sao considerados (nunca foram) destila-se uma tremenda inveja e maledicencia.
O gozo quando alguèm se machuca é de praxe.
Nao desanime nao, pois nossa vingança é o sucesso e os mesmos terao que aplaudir de pé, naturalmente distilando a mesma hipocrisia e inveja mas serao sempre os resultados finais que determinarao quem é quem.
No podium da vida tem pouco espaço para os mediocres principalmente os de espirito.
Coragem e vamos em frente, daqui a um mes começa o campeonato de carros historicos e mandarei um monte de fotos.
Proximo evento "Classic Le Mans" e estarems là com o novo 911 ST (foto) e com um ano a mais no curriculum da vida.
Que Deus vos abençoe e um abraço a todos (inclusive aos pobres de espirito)
Max Pedrazzi
Paulo Coimbra disse…
Maurício, T bem?
Concordo com suas palavras!
O ser humano precisa e deve acreditar nos seus sonhos e faz~e-los acontecer!
Para nós, que temos o Autmobilismo como paixão ou até como meio de vida, aqui no Brasil isso é primordial: viver de sonho! Mas como é insana essa luta, não acha? Insana, desumana e desleal...Muitas vezes é como "remar contra a maré".
abraços.
Mauricio Morais disse…
Oi Max, é bom saber que não sou o único a pensar dessa maneira. Creio naquilo que disse o Chico Buarque..."ah, essa terra ainda vai cumprir seu ideal".
Sucesso nas pistas e que o cuidado de Deus o guarde.
Mauricio Morais disse…
Oi Paulo, vamos lutar de alguma maneira para acabar com a mediocridade de nosso país. Para isso é preciso de muito trabalho. Então vamos trabalhar. O bom da internet é que temos canais por onde nossa voz ecoa.
Obrigado pela sua participação, dando seu palpite e expondo seus pensamentos. Valeu demais.
Anônimo disse…
Eu "revolucionei" a minha vida fazendo aquele Camaro que vc desenhou kkkkkkk, mas quanto ao autoImobilismo brasileiro fica muito dificil de resolver as coisas, veja aqui em Sampa o que fizeram com a Superclassic, pura inveja. Infelizmente para nós por aqui só temos um autódromo, não se pode correr em lugar nenhum sem autorização da FASP, é vergonhoso. A nossa Mil Milhas foi transformada em um bom evento internacional...porém restou-nos para comemorar o aniversário da cidade um 1.000 Km de Interlagos com 20 carros...dificil de acreditar para quem já viu tanta corrida em Interlagos...eu gostaria de ter possibilidade financeira de viver no exterior e poder participar os eventos históricos que existem por lá, onde as pessoas cultuam e valorizam os autos antigos...por aqui só passamos vergonha. Desculpe o desabafo...mas para mim esta é nossa realidade.

FRANCISCO/SANTO ANDRÉ
Mauricio Morais disse…
Oi Francisco a idéia desse post é desabafar mesmo, colocar pra fora o que está preso na garganta.
Esse episódio da Super Classic, o caso do pessoal do kart que está sendo punido por participar de um evento não oficializado pela CBA, a destruição total do autódromo do Rio, etc, etc.
Na verdade, o poder em mãos despreparadas, aliada a uma cultura de apadrinhamento (coronelismo, troca-troca, corrupção) é um problema que vem de longe.
Nos anos 70 os generais proibiram corridas no Brasil sob pretestos discutíveis. Trazendo desemprego para milhares de profissionais e empresas envolvidas com o esporte. Sem falar no atraso tecnológico e na defasagem do esporte motor.

E o que mais me espanta é a resignação de todos. A inércia que nos envolve é uma coisa doentia. Dizer que o brasileiro é um povo pacífico é um pobre lugar comum.
É o mesmo que dizer que todos os brasileiros são uns bananas...Nosso poder de indignação é zero. Nos importamos apenas com a novela das oito ou com o Big Brother. Será isso verdade?
O brasileiro mediano quer se dar bem e o resto que se exploda. Será que a solidariedade, a compaixão, o cuidado com o próximo acabaram?
Creio que podemos mudar esse cenário.
Creio que com fé, trabalho e uma mudança de mentalidade podemos fazer um cenário diferente.

A palavra bênção, significa: Autorização para prosperar. Por isso precisamos aprender a abençoar.
Não é fácil, mas se quisermos um amanhã melhor,temos que começar hoje.
mario estivalet disse…
Repetindo:
Alguem tem ideia de quantas provas este carro correu e que fim levou?

Parece que em 1968 o carro correu pelo menos os 1000 Km de Brasilia (http://www.bandeiraquadriculada.com.br/Roberto%20Gomez.htm)
Só sei isto......

Quanta ao comodismo realmente acho que o tempo passou, e hoje é mais facil jogar videoame. Lembro do esforço e entusiasmo com mais tres amigos qando compramos em 1970 um kart para correr. Vejo os carros que faziamos no Brasil, os prototipos criados com esforço pessoal, dedicação e carinho, e realmente fico com saudades. Hoje tudo tem que ter altissima tecnologia, grana, regras, mais grana, regulamentos, dinheiro, organizadores, patrocinadores, grana, audiencia na TV,..... As iniciativas são abafadas pela grana, veja formula Classic.... Pelo menos nós "matuzalens" vivemos, curtimos, aproveitamos, vibramos, nos divertimos muito, e fico feliz por ter vivido tudo isto (e continuo brincando com meus carrinhos velhos...)
Joaquim disse…
Mário Estivalet,
O Caçador de Estrelas I nunca coreu nenhuma prova, pois foi impedido nas Mil Milhas de 1967 por acharem o carro muito perigoso. Já em abril de 1968, outra versão mais convencional (motor Corvette dianteiro, etc e tal)participou dos Mil Km de Brasilia com Bica Votnamis e Roberto "Argentino" Gomez, sofrendo um acidente (quebra de suspensão) e abandonando a prova. Eu estava lá e o acidente deu-se na minha frente, na curva de 90 graus da antiga Rodoviária. No mesmo ano, 1968, Bica tentou participar das 3 Horas da Guanabara com o carro mas não passou dos treinos. No ano seguinte, 1969, apareceu em Curitiba com um estranho protótipo Corvette, depois substituido por um tipo Can Am grupo 7, creio que no mesmo ano.
Isso aí,

Abs,
Joaquim disse…
Mário Estivalet,
O Caçador de Estrelas I nunca coreu nenhuma prova, pois foi impedido nas Mil Milhas de 1967 por acharem o carro muito perigoso. Já em abril de 1968, outra versão mais convencional (Caçador II, motor Corvette dianteiro, etc e tal)participou dos Mil Km de Brasilia com Bica Votnamis e Roberto "Argentino" Gomez, sofrendo um acidente (quebra de suspensão) e abandonando a prova. Eu estava lá e o acidente deu-se na minha frente, na curva de 90 graus da antiga Rodoviária. No mesmo ano, 1968, Bica tentou participar das 3 Horas da Guanabara com o carro mas não passou dos treinos. No ano seguinte, 1969, apareceu em Curitiba com um estranho protótipo Corvette, depois substituido por um tipo Can Am grupo 7, creio que no mesmo ano.
Isso aí,

Abs,
Grande Maurício

Escrevi hoje sobre o exemplo que tirei da história do Bica e seu protótipo. Após postar, vi que vc teve uma visão parecida com a minha, e que fez um belo poster do carro.
Vou tomar a liberdade de colocar a sua ilustração no final do meu post, creditando no final.
Parabéns por seu trabalho.
Rafael