15.11.07

SAINDO DA ROTINA (feriado não posto nada vocês sabem)
Mas para o meu amigo Ararê, saio da toca.
Olhem o que ele me mandou.

Oi Maurício, boa tarde!

Eu sempre fui fã desse "baixinho", e que merece todo nosso respeito, Alex Dias Ribeiro, ou simplesmente "Alex".
Li seu livro "Mais que vencedor" em 1988 que ganhei de um amigo, e comecei a folhear esse livro outro dia quando me deu vontade de fazer uma arte do March-Hart de nº 23 o qual estou te enviando com carinho, espero que curta a ilustração!

Um grande abraço!

Ararê

4 comentários:

Caíque. disse...

Muito Bonito e bela homenagem!!!

Joaquim disse...

Gosto muito do Alex, fui quase seu colega de escola e era um habitué na sua oficina, a Camber, em Brasilia.
Mas ainda me espanto quando se referem aos "vários títulos" ganhos pelo Alex. Ledo engano. Alex ganhou dois títulos brasilienses de kart, somente um título nacional, o da F-Ford em 73 (havio sido vice em 72}. Saiu do Brasil em 74 para a F-3 inglesa, onde sagrou-se vice-campeão e ganhou o título de "Terror da F-3" pela parcial imprensa inglesa especializada devido ao enorme número de acidentes em que se viu envolvido. Ano seguinte, 1975, foi novamente vice-campeão, mas dessa vez do Europeu de F-3. Em 76, corre de F-2 , e termina em quinto no campeonato Europeu (equivalente a um Mundial). Em 77, disputa o mundial de F-Um pela March, participando de 10 GPs, e terminando em 8o. lugar no Canadá e na Alemanha.
Em 78, volta à F-2 e consegue seu maior triunfo internacional ao vencer em Nurburgring, à frente dos teams March-BMW de fábrica. Foi o maior feito do baixinho na sua carreira internacional.
Em 79, convidado pela Copersucar-Fittipaldi, participa dos GPs de San Marino, Canadá e EUA, sem maiores resultados.
Volta ao Brasil e só retorna às pistas em 83 e 84, disputando aqui o Campeonato Brasileiro de Marcas com um Escort, sem maiores destaques. Arrisca também algumas participações no SuperKart.
Alex tentaria novo retorno em 88, ao participar do Campeonato Brasileiro de Brasileiro de F-Ford e Sul Americano de F-3. Suas últimas participações oficiais como piloto de competição foi em 1992, no Sul Americano de F-3.
De 99 a 2001, atuou como piloto do Medical Car, na F-Um. Há vários anos é diretor do programa Atletas de Cristo, que engloba mais de 7.500 atletas evangélicos pelo mundo.
O baixinho tem em seu currículo 218 corridas, 24 vitórias e participou de 16 categorias, do kart á Fórmula Um.
Merece todo nosso respeito e consideração.

Speed Arosi disse...

Atraves de uma bela ilustraçõa, recebo uma aula do Mestre Joaquim, isto é a blogosfera

Anselmo / Sbc

Anônimo disse...

Êsse sim éra PILOTO .
Pra ser um bom piloto o cara não precisa ser campeão , precisa é guiar bem . Tem MUITO campeãozinho que de piloto não tem nada . Não é mesmo ?