Pronto! Não contei nada pra não estragar a surpresa. Estava ilustrando a Alfa P-33
para relembrar um pega memorável entre dois amigos, Sidney Cardoso e José Carlos Pace, o Moco.
Abro espaço para o mestre Sidney contar como foi este pega e como era conviver com Moco.
E quem assistiu esta disputa e outras pode deixar suas lembranças aqui.
Em tempo, Já está disponível em pôster.

Comentários

Sidney Cardoso disse…
Querido Maurício
Sei de sua grande amizade por mim, mas com toda sinceridade do mundo, gostaria que você deixasse o Moco com a Alfa P 33 sozinho.
Afinal vc já fez a ilustração de meu Karman-Ghia, está linda aqui em casa.
Moco era um piloto impar e te peço que deixe em sua bela ilustração só ele e a Alfa para que, inclusive, a ilustração fique maior.
Se vc atender meu pedido, como espero, já fica encomendada minha ilustração no tamanho A-3.
Entendi o que vc fez, colocou em ilustração uma das fotos que te enviei.Porém a foto foi apenas mais uma para vc ver o detalhe da Alfa.
Vou falar desta corrida e do Moco em outro post a seguir.
Sidney Cardoso disse…
Esta corrida foi a III HORAS DA GUANABARA 69, Prova Deputado Rubens Cardoso.
Nem iria participar dela, pois meu motor Porsche estava quebrado, estávamos aguardando peças.
Na antevéspera da corrida, sexta-feira, Fernando Calmon liga pra mim e fala : - Sidney sei que vc está sem motor. Olha, consegui um motor VW 1600 super-preparado por ...(não me lembro agora se a preparação foi feita por Reinner ou Miúdo). Ele continuou : Consegui, tb, dois carburadores Stromberg de Jaguar que me disseram é uma maravilha.
Como vc tem a carroceria do Karman-Ghia de fibra levíssima, poderíamos colocar o motor nele e corrermos em dupla. Que tal?
Concordei, fomos a oficina BRV dos irmãos Ferreirinha, junto com nosso mecânico da época, Antonio da Memória, lá colocaram o motor. Apareceu um problema, pois o motor rateava demais, inclusive morreu na ida para o Autódromo (tenho filme disso).
Os mecânicos tentaram bastante, mas o motor não rodava redondo, mesmo assim, fiz o tempo de 1m 48s ou 1m 49s, não me lembro bem, Ricardo Cunha deve saber.
Na última volta do treino de classificação, o motor parou de vez no meio da reta(tenho filme).
Ficamos ali bastante tempo tentando resolver o problema da falha nos carburadores e nada.
Aí, Ricardo Achar caminha até nós, me chama num canto e fala : - Como vc sabe corri na Europa e conheço bem este carburador é excelente, mas tem seus macetes. Se seus mecânicos não se importarem, posso mexer? Fala aí com eles.
Falei e Antonio Ferreirinha que era fã do Ricardo e meu, de pronto concordou.
Ricardo em 1 minuto resolveu o problema. Saí para experimentar o carro, já bem tarde e surpresa... Estava um "foguetinho". Virei 1m 47s.
Todos nós ficamos eufóricos com certeza de que faríamos uma ótima corrida e chegaríamos bem colocados.
Continuo próximo post.
Sidney Cardoso disse…
Domingo dia da corrida, Fernando Calmon largou e estava rodando bem até que apareceu um problema, o acelerador prendeu no fundo na entrada da curva do S. Ele teve que dar uma violenta freada para não cair dentro do lago, deixando as marcas dos pneus no asfalto ( tenho filme e foto).
Antonio Ferreirinha, Antonio da Memória e Joaquim correram pra lá pra ver o que havia acontecido.
Quando estavam soltando o cabo do acelerador, um deles, sem querer, deixou cair um parafuso dentro de um dos carburadores e daí foi pra dentro de um pistão, danificando-o.
Resultado, ficamos apenas em 3 cilindros até o final da corrida, com o carro andando muito pouco, chegando a parar de vez voltas antes do final.
Mesmo assim ainda deu pra chegarmos em 7º lugar.
Quando peguei o carro já estava em 3 cilindros, portanto nesta foto Moco estava passando por mim colocando volta em cima, não houve pega com ele, mesmo que o carro estivesse bom, não daria.
Próximo post vou falar do Moco, como vc pediu.
Sidney Cardoso disse…
Maurício
Naquela época se vc perguntasse a 10 pilotos qual ele achava o mais veloz, te garanto que 9, incluindo eu, apontariam o Moco. Era fora de série.
Na véspera deste dia aí da foto ele deu um dos maiores shows que já assisti ao vivo de derrapagens controladas na hora de marcar tempo. Foi inesquecível!
Todos que estavam no autódromo pararam tudo que estavam fazendo para ver e comentar, como disse José Maria Ferreira, "Giu", aquele bailado mágico do Moco com a Alfa P33.
Vc tinha que ver, ele fez todas curvas totalmente de lado.
No dia anterior a esta ilustração ele bateu o recorde do Autódromo do Rio pela segunda vez, com a Alfa P33, melhorando-o mais com o tempo de 1m. 28.8s.
Antes já havia batido com a mesma Alfa P33 nos 1000 Kms da Guanabara 69, com tempo o tempo 1m.30.2s.
Interessante como alguns acontecimentos marcantes como o dia que mataram John F. Kennedy a gente se lembra exatamente onde estava, quem estava a nosso lado e o que falaram.
Me lembro perfeitamente de todos que estavam a meu lado neste dia na hora da quebra do recorde e seus comentários.
Quanto sua pergunta sobre a convivência com ele, comigo sempre foi ótima, muito agradável.
Interessante é que ele era um pouco tímido, até este apelido que ficou "Moco", foi derivado de "Mocó" que na época significava caipira, envergonhado.
Alguns poucos pilotos do Rio não captavam isso e o achavam esnobe, alguns até a boca pequena, exatamente no dia deste treino me diziam : - Pô, vc fica lá conversando com ele, ele é bom piloto, mas muito metido.
Falei pra eles: - Comigo nunca foi, não vou deixar de bater papo com ele por julgamento precipitado de vcs. Porque vcs não se aproximam dele pra tirar a dúvida?
Já vi algumas vezes isso acontecer, penso que vc também, ou seja, uma pessoa um pouco tímida ser confundida com esnobe.
Quase sempre que ia à Dacon comprar peças para o Porsche, encontrava por lá à tarde, Moco, Wilsinho, Emerson, Chiquinho Lameirão e Paulo Goulart. Fazíamos uma rodinha e ficávamos batendo papo sobre carros, corridas e "rachas" como diziam eles. Aqui no Rio a gíria era "pega". Neste meio de amigos e neste tipo de conversa ele se soltava mais ficando bem descontraído.
Bem, Maurício, penso que respondi tudo que vc pediu, agora, por favor, não se esqueça do que te pedi, tá?
Tenho certeza que vc compreenderá e vai aceitar minha proposta de deixar José Carlos Pace, "Moco", junto à Alfa P33 ocupando todo espaço, somente os dois eternizados em sua ilustração nos trazendo recordações daquele momento mágico de exímia perícia.
Forte abraço.
Pablo disse…
Quanto mais leio o que escreve, mais e mais te admiro, Sidney... Uma pena estarmos no Clássicos de Competição em dias diferentes, mas 10/02 estaremos lá novamente.

Grande abraço!!
Sidney disse…
Pablo
Muito obrigado por suas generosas palavras.
Também gostaria de me encontrar com vc, mas só poderei ir na 2ª etapa, 3 de março, você vai nessa?
Forte abraço!
Mauricio Morais disse…
Sidney, seu pedido é uma ordem. Mas vou fazer duas versões, uma com o Moco e a Alfa sós, e a outra como está. Afinal é o registro artistico de um fato. Vocês estavam na pista juntos.
E faço das palavras do Pablo as minhas. "Quanto mais leio o que escreve, mais e mais te admiro, Sidney... ". Obrigado por tudo.
Anônimo disse…
Sidney,
Alguma vez teu GT40 e esta Alfa se enfrentaram?
Falando nisto, tem como descrever o que era pilotar um GT40? Me desculpe se eu estiver perindo para vc repetir isto pela enésima vez.
Luiz Eduardo.