O que fazemos com nossas lendas e com nossos heróis brasileiros?
Onde os guardamos? Alguém se lembra dos seus feitos?
Não suporto mais ouvir que brasileiro não tem memória.
Na verdade o que falta não é memória e sim respeito.
Se o cara se chama Zé ou João mas conseguiu alguma proeza,
não importa, foi sorte ou coisa do acaso.
_Brasileiro não foi talhado pra herói, diz o nosso sentimento nacionalista inferiorizado.
Mas se o cara se chama Joe, qualquer m... que ele faça é considerada
proeza. Se esquecendo que Joe é o mesmo que Zé lá nas terras do tio San.
Então o problema não é de nome ou nomemclatura...O problema é de auto estima.

Não venham me falar de xenofobia ou patriotada, não tem nada a ver.
Sei reconhecer heróis de outras paragens.
Como negar o valor de um Carol Shelby, Collin Chapman, etc.
Isso pra falar só de construtores.
Porque não valorizar Tony Bianco, que apesar de ser italiano adotou nossa terra como sua.
Que grande "carrozzieri", merecia uns 10 livros pra contar tudo o que esse homem fez e faz.

Anísio Campos é outro grande nome, esportista e designer valoroso.
Tenho conhecido muito de nossa história pelo seu maravilhoso site www.obvio.ind.br/.
O que dizer dos irmãos Fittipaldi e suas loucas e maravilhosas invenções?
Alex Dias Ribeiro, a família Cardoso com Sidney e seu irmão Sérgio etc, etc.
Bem visitem o site obvio que vocês vão entender meu desabafo.

Comentários

Renato Bellote disse…
Tem toda razão Maurício.
Se não fosse a internet e algumas pessoas interessadas no assunto, esse conhecimento estaria cada vez mais distante.

um abraço
Anônimo disse…
Falou tudo Mauricio!

Jonny'O
Anônimo disse…
Já pensou se não existisse a internet? E essas fotos todas, as informações de caras como o Sidney, Jan Balder, que viveram do lado de dentro essa história,
tudo isso estaria perdido. Começam sumindo os carros, depois as fotos que documentaram sua história, depois os pilotos que a escreveram. Carro é prova de que a memória é viva, pode ser ligada e ir de um lugar ao outro, mas precisa do combustível da vontade, que você, Mauricio, e outros caras, estão sempre colocando no tanque. Abraços, fred.
Mauricio Morais disse…
É isso mesmo Fred, memória é identidade. Temos que preservar nosso passado e graças a Deus tem aparecido muita gente com seus baús de histórias e fotos e filmes, etc, etc.