O design desse carro é uma incógnita para mim. No todo ele é bem feio, mesmo
pra época. Bem quadradão com aparência de táxi. Não se ofenda Sidney.
Mas agora que estou detalhando a bagaça, posso ver o cuidado com que o carrozzieri
trabalhou os cantos, os vincos, as junções, etc.
É tanto capricho que agente acaba se apaixonando pelo estilo.
A Giulia é um carro pra se ver devagar, com calma.

Não entendo porque a Alfa Romeo escolheu este modelo para apimentar a sua mecânica. Será que eles não tinham um cupezinho de duas portas? Eu não sou alfista e por isso não conheço a gama de carros oferecida na década de 60.

Comentários

Rodrigo Vieira disse…
Caro amigo. Meus sinceros parabéns pelo belíssimo trabalho. Sou editor da revista Super Speed e do site www.autodynamics.com.br. Quando quiser mandar para nós alguma ilustração, será um prazer poder publicá-la. Especialmente se for sobre arrancada ou circuito. Um abraço e novamente meus parabéns.
Mauricio Morais disse…
Ok Rodrigo, obrigado pelo convite e pelas palavras. Tenho algumas ilustrações que vc vai gostar.
Abs.
Sidney Cardoso disse…
Maurício
Eles tinham sim.
Eles tinham a Alfa GTA, GTV, Zagatto, Spyder.
Essa nossa era Giulia TI, o TI quer dizer turismo internacional, ou seja, carros de passeio, entendeu?
O negócio é que a Alfa Romeo sempre gostou de se esmerar em potência.
Mauricio Morais disse…
Valeu a explicação Sidney.
Luiz Eduardo disse…
Maurício,
Parabéns pelo teu trabalho que é muito bom. Sugiro que na continuidade você vá enfocando as grandes equipes nacionais de antigamente como Willis, Vemag, Hollywood e Jolly-Gancia, entre outras. Um grande abraço.
Luiz Eduardo.
Mauricio Morais disse…
Minha idéia é mais ou menos por aí Luiz. Obrigado pela sugestão. Abs.